Recomeça a caminhada da IV Turma da Ebc - NE 3

Sabemos que “ninguém ama aquilo que não conhece”, por isso o passo que esta sendo dado é para aprofundar os conhecimentos adquiridos e caminhar em busca de uma nova postura pessoal e também de mudança comunitária.

O Gosto dos caminhos recomeçados!

Depois de uma parada para restruturação da equipe de Comunicação do Regional Nordeste 3, o blog volta com a "corda toda"! Agora toda terça e sextas-feiras tem artigo novo no Ar!!!

Senhor, entregaste-me dois talentos; eis os outros que conquistei.

A partir de hoje o blog também será formativo, graças a colaboração dos nossos colunistas. Conheça-os!

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Clique aqui: https://www.facebook.com/catequeseregionalnordeste3

O Papa Francisco pede paz para a Faixa de Gaza

O Oriente Médio, o Iraque e a Ucrânia, foram as três “zonas de crise” que receberam a atenção do Pontífice, mais uma vez, que reiterou o pedido de orações e a precedência do diálogo e da negociação sobre os conflitos.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Estudo sobre o Evangelho de São Mateus - Parte 3

Estrutura de Mateus

Prólogo: Genealogia e narrativa da infância 1,1-2,23
Genealogia de Jesus 1,1-17
O nascimento 1,18-25
A adoração dos magos 2,1-12
Fuga para o Egito e matança nos inocentes, a volta para Israel 2,13-13
I - Parte: Proclamação do Reino dos Céus 3,1-7,29
Narrativa: Início do Ministério de Jesus 3,1-7,29
Discurso: O Sermão da Montanha 5,1-7,29
II - Parte: O ministério de Jesus na Galiléia 8,1-11,1
Narrativa: Histórias dos dez milagres 8,1-11,1
Discurso: Missão e martírio 9,35-11,1
III - Parte: Histórias e parábolas em meio a controvérsias 11,2-13,52
Narrativa: Controvérsia que se intensificam 11,2-12,50
Discurso: Parábolas do Reino 13,1-52
IV - Parte: Narrativa, controvérsia e discurso 13,53-17,27
Narrativa: Vários episódios precedentes à jornada final de Jesus em Jerusalém 13,53-17,27
Discurso: Ensino sobre a igreja 18,1-35
V - Parte: Jesus na Judéia e em Jerusalém 19,1-25,46
Narrativa: A jornada final de Jesus e a instauração do conflito 19,1-23,39
Discurso: Os ensinos escatológicos de Jesus 24,1-25,46
A narrativa da Paixão 26,1-27,66

A narrativa da ressurreição 28,1-20

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Dois modos de ler a Bíblia

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Estudo sobre o Evangelho de São Mateus - Parte 2

A teologia
Escrevendo entre judeus e para judeus, MATEUS procura mostrar como na pessoa e na obra de Jesus se cumpriram as Escrituras, que falavam profeticamente da vinda do Messias. A partir do exemplo do Senhor, reflete a praxe eclesial de explicar o mistério messiânico mediante o recurso aos textos da Escritura e de interpretar a Escritura à luz de Cristo. Esta característica marcante contribui para compreender o significado do cumprimento da Lei e dos Profetas: Cristo realiza as Escrituras, não só cumprindo o que elas anunciam, mas aperfeiçoando o que elas significam (5,17-20). Assim, os textos da Escritura neste Evangelho confirmam a fidelidade aos desígnios divinos e, simultaneamente, a novidade da Aliança em Cristo.
Nele ressaltam cinco blocos de palavras ou “discursos” de Jesus: 5,1-7,28; 8,1-10,42; 11,1-13,52; 13,53-18,35; 19,1-25,46. Ocupam um importante lugar na trama do livro, tendo a encerrá-los as mesmas palavras (7,28), e apresentam sucessivamente: “a justiça do Reino” (5-7), os arautos do Reino (10), os mistérios do Reino (13), os filhos do Reino (18) e a necessária vigilância na expectativa da manifestação última do Reino (24-25).
Desde o séc. II, o Evangelho de MATEUS foi considerado como o “Evangelho da Igreja”, em virtude das tradições que lhe dizem respeito e da riqueza e ordenação do seu conteúdo, que o tornavam privilegiado na catequese e na liturgia. O Reino proclamado por Jesus como juízo iminente é, antes de mais, presença misteriosa de salvação já atuante no mundo. Na sua condição de peregrina, a Igreja é “o verdadeiro Israel” onde o discípulo é convidado à conversão e à missão, lugar de tensão ética e penitente, mas também realidade sacramental e presença de salvação. Não identificando a Igreja com o Reino do Céu, MATEUS continua hoje a recordar-lhe o seu verdadeiro rosto: uma instituição necessária e uma comunidade provisória, na perspectiva do Reino de Deus.
Como os outros Evangelhos, o de MATEUS refere à vida e os ensinamentos de Jesus, mas de um modo próprio, explicitando a cristologia primitiva: em Jesus de Nazaré cumprem-se as profecias; Ele é o Salvador esperado, o Emanuel, o “Deus conosco” (1,23) até à consumação da História (28,20); é o Mestre por excelência que ensina com autoridade e interpreta o que a Lei e os Profetas afirmam acerca do Reino do Céu (= Reino de Deus); é o Messias, no qual converge o passado, o presente e o futuro e que, inaugurando o Reino de Deus, investe a comunidade dos discípulos – a Igreja – do seu poder salvífico.
Assim, no coração deste Evangelho o discípulo descobre Cristo ressuscitado, identificado com Jesus de Nazaré, o Filho de Davi e o Messias esperado, vivo e presente na comunidade eclesial.

O Cristo revelado
Este Evangelho apresenta Jesus como o cumprimento de todas as expectativas e esperanças messiânicas. Mt estrutura cuidadosamente suas narrativas para revelar Jesus como cumpridor de profecias específicas. Portanto, ele impregna seu Evangelho tanto com citações quanto com alusões ao AT, introduzindo muitas delas com a fórmula “para que se cumprisse”.
No Evangelho. Jesus normalmente faz alusão a si mesmo como o Filho do Homem, uma referência velada ao seu caráter messiânico (Dn 7.13,14). O termo não somente permitiu a Jesus evitar mal-entendidos comuns originados de títulos messiânicos populares, como possibilitou-lhe interpretar tanto sua missão de redenção (como em 17,12.22; 20,28; 26,24) quanto seu retorno na glória (como em 13,41; 16,27; 19,28; 24,30.44; 26,64).
O uso do título “Filho de Deus” por Mt sublinha claramente a divindade de Jesus (1,23; 2,15; 3,17; 16,16). Como o Filho, Jesus tem um relacionamento direto e sem mediação com o Pai (11,27).
Mt apresenta Jesus como o Senhor e Mestre da igreja, a nova comunidade, que é chamada a viver nova ética do Reino dos céus. Jesus declara: “a igreja” como seu instrumento selecionado para cumprir os objetivos de Deus na Terra (16,18; 18,15-20). O Evangelho de Mt pode ter servido como manual de ensino para a igreja antiga, incluindo a surpreendente Grande Comissão (28,12-20), que é a garantia da presença viva de Jesus.

O Espírito Santo
A atividade do ES é evidente em cada fase e ministério de Jesus. Foi por meio do poder do Espírito que Jesus foi concebido no ventre de Maria (1,18-20).
Antes de Jesus começar seu ministério público, ele foi tomado pelo Espírito de Deus (3,16) e foi conduzido ao deserto para ser tentado pelo diabo como preparação adicional a seu papel messiânico (4,1). O poder do Espírito habilitou Jesus a curar (12,15-21) e a expulsar demônios (12,28).
Da mesma forma que João imergia seus seguidores na água, Jesus imergirá seus seguidores no ES (3,11). Em 7,21-23, encontramos uma advertência dirigida contra os falsos carismáticos, aqueles que na igreja, profetizam, expulsam demônios e fazem milagres, mas não fazem a vontade do Pai.
Presumivelmente, o mesmo ES que inspira atividades carismáticas também deve permitir que as pessoas da igreja façam a vontade de Deus (7,21).
Jesus declarou que suas obras eram feitas sob o poder do ES, evidenciando que o Reino de Deus havia chegado e que o poder de satanás estava sendo derrotado. Portanto, atribuir o poder do ES ao diabo era cometer um pecado imperdoável (12,28-32).
Em 12,28, o ES está ligado ao exorcismo de Jesus e à presente realidade do Reino de Deus, não apenas pelo fato do exorcismo em si, pois os filhos dos fariseus (discípulos) também praticavam exorcismo (12,27). Mas precisamente, o ES está executando um novo acontecimento com o Messias—”é chegado a vós o Reino de Deus” (v.28).

Finalmente, o ES é encontrado na dinâmica da missão (28,16-20). Os discípulos são ordenados a ir e a fazer discípulos de todas as nações, “batizando-os em nome do Pai, do Filho e do ES” (v.19). Isto é, eles deveriam batizá-los “no/com referência ao “ nome— ou autoridade– do Deus Uno e Trino. Em sua obediência a esta missão, os discípulos de Jesus têm garantida sua constante presença com eles.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Estudo sobre o Evangelho de São Mateus - Parte 1

Evangelho de Mateus
Este Evangelho, transmitido em grego pela Igreja, deve ter sido escrito originariamente em aramaico, a língua falada por Jesus. O texto atual reflete tradições hebraicas, mas ao mesmo tempo testemunha uma relação grega. O vocabulário e as tradições fazem pensar em crentes ligados ao ambiente judaico; apesar disso, não se pode afirmar, sem mais, a sua origem palestinense. Geralmente pensa-se que foi escrito na Síria, talvez em Antioquia ou na Fenícia, onde viviam muitos judeus, por deixar entrever uma polêmica declarada contra o judaísmo farisaico. Atendendo a elementos internos e externos ao livro, o atual texto pode datar-se dos anos 80-90, ou seja, algum tempo após a destruição de Jerusalém.

O autor
Embora este evangelho não identifique seu autor, a antiga tradição da igreja o atribui a Mateus, o apóstolo e antigo cobrador de impostos. Pouco se sabe sobre ele, além de seu nome e ocupação. A tradição diz que, nos quinze anos após ressurreição de Jesus, ele pregou na Palestina e depois conduziu campanhas missionárias em outras nações.

A data
Evidências externas, como citações na literatura cristã do Séc I, testemunham desde cedo a existência e o uso de Mt. Líderes da igreja do Séc. II e III geralmente concordavam que Mt foi o primeiro Evangelho a ser escrito, e várias declarações em sues escritos indicam uma data entre 65 e 70 dC.

 O conteúdo
O objetivo de Mt é evidente na estrutura deste livro, que agrupa os ensinamentos e atos de Jesus em cinco partes. Este tipo de estrutura, comum ao judaísmo, pode revelar o objetivo de Mt em mostrar Jesus como o cumprimento da lei. Cada divisão termina com uma fórmula como: “Concluindo Jesus estes dircusos…” (7,28; 11,1; 13,53; 19,1; 26,1).
No prólogo (1,1-2,23), Mt mostra que Jesus é o Messias ao relacioná-lo às promessas feitas a Abraão e Davi. O nascimento de Jesus salienta o tema do cumprimento, retrata a realeza de Jesus e sublinha a importância dele para os gentios.
A primeira parte (caps. 3-7) contém o Sermão da Montanha, no qual Jesus descreve como as pessoas devem viver no Reino de Deus.
A Segunda parte (8,1-11,1) reproduz as instruções de Jesus a seus discípulos quando ele os enviou para a viagem missionária.
A Terceira parte (11,2-13,52) registra várias controvérsias nas quais Jesus estava envolvido e sete parábolas descrevendo algum aspecto do Reino dos céus, em conexão com a resposta humana necessária.
A Quarta parte (13,53-18,35) o principal discurso aborda a conduta dos crentes dentro da sociedade cristã (cap 18).
A quinta Parte (19,1-25,46) narra a viagem final de Jesus a Jerusalém e revela seu conflito climático com o judaísmo. Os caps. 24-25 contêm os ensinamentos de Jesus relacionados à últimas coisas. O restante do Livro (26,1-28,20) detalha acontecimentos e ensinamentos relacionados à crucificação, à ressurreição e à missão do Senhor à Igreja. A não ser no início e no final do Evangelho, a disposição de Mt não é cronológica e não estritamente biográfica, mas foi planejada para mostrar que o Judaísmo encontra o cumprimento de suas esperanças em Jesus.

Composição literária

MATEUS recorre a fontes comuns a Mc e Lc, mas apresenta uma narração muito diferente, quer pela amplitude dos elementos próprios, quer pela liberdade com que trata materiais comuns. O conhecimento dos processos e os modos próprios de escrever de MATEUS são de grande importância para a compreensão do livro atual: compilação de palavras e dos fatos, de “discursos” e de milagres; recurso a certos números (7, 3, 2); estilo catequético; citações da Escritura, etc..

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

PALAVRA DE VIDA PARA O MÊS DE SETEMBRO 2014

“Acolhei-vos uns aos outros, como Cristo vos acolheu, para a glória de Deus.”
(Rm 15,7)

 Essas palavras expressam uma das últimas recomendações que são Paulo faz na sua carta aos cristãos de Roma. Aquela comunidade, como, aliás, muitas outras espalhadas pelo mundo greco-romano, era formada por fiéis provenientes, em parte, do paganismo e, em parte, do judaísmo. Portanto, pessoas com mentalidade, formação cultural e sensibilidade espiritual muito diferentes. Essa diversidade dava margem a julgamentos, preconceitos, discriminações e intolerâncias de uns para com os outros, certamente não condizentes com aquela acolhida mútua que Deus gostaria que eles tivessem.
Para ajudá-los a superar essas dificuldades, o Apóstolo não encontra outro meio mais eficaz do que fazê-los refletir sobre a graça da própria conversão. O fato de Jesus tê-los chamado à fé, comunicando-lhes o dom de seu Espírito, era a prova palpável do amor com o qual Jesus havia acolhido a cada um deles. Apesar de seu passado e da diversidade de proveniências, Jesus os tinha acolhido para formarem um só corpo.
“Acolhei-vos uns aos outros, como Cristo vos acolheu, para a glória de Deus.”
Essas palavras de são Paulo nos lembram um dos aspectos mais tocantes do amor de Jesus: é o amor com o qual Ele, durante a sua vida terrena, sempre acolheu a todos, de modo especial os mais marginalizados, os mais necessitados, os mais distanciados; é o amor com o qual Jesus ofereceu a todos sua confiança, sua confidência, sua amizade, derrubando uma por uma as barreiras que o orgulho e o egoísmo humano tinham erguido na sociedade de seu tempo. Jesus foi a manifestação do amor plenamente acolhedor do Pai celeste para cada um de nós e do amor que, por consequência, nós deveríamos ter uns para com os outros. Esta é a primeira vontade do Pai a nosso respeito; por isso não temos como dar a Deus uma glória maior do que aquela que lhe damos quando procuramos nos acolher uns aos outros da maneira como Jesus acolheu a nós.
“Acolhei-vos uns aos outros, como Cristo vos acolheu, para a glória de Deus.”
Como poderemos viver então, a Palavra de Vida desse mês? Ela chama a nossa atenção para um dos aspectos mais frequentes do nosso egoísmo e – digamos a verdade – um dos mais difíceis de superar: a tendência a nos isolarmos, a discriminar, a marginalizar, a excluir o outro na medida em que é diferente de nós e poderia perturbar a nossa tranquilidade.
Procuraremos, então, viver essa Palavra de Vida antes de mais nada no âmbito das nossas famílias, associações, comunidades e grupos de trabalho, eliminando em nós os julgamentos, as discriminações, os preconceitos, os ressentimentos, as intolerâncias contra esse ou aquele próximo, coisas que surgem tão facilmente e tão frequentemente, sentimentos esses que comprometem e esfriam tanto os relacionamentos humanos e impedem o amor mútuo, fazendo-o emperrar, como se fossem ferrugem.
Além disso, procuraremos viver essa Palavra na vida social em geral, fazendo o propósito de testemunhar o amor acolhedor de Jesus para com qualquer próximo que o Senhor colocar ao nosso lado, principalmente aqueles que o egoísmo social tende mais facilmente a excluir ou a marginalizar.
Acolher o outro, o diferente de nós, é básico no amor cristão. É o ponto de partida, o primeiro degrau para a construção daquela civilização do amor, daquela cultura de comunhão à qual Jesus nos chama hoje de modo especial.

Este comentário à Palavra de Vida foi publicado originalmente em dezembro de 1992.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

CARTA- RESPOSTA A UM AUTO-PROCLAMADO EVANGÉLICO (1992)

A presente carta que circula há anos pela Internet teve origem numa resposta que dei, numa coluna de revista, a um combativo evangélico. Anos mais tarde, alguém a copiou e jogou na Internet. O texto foi sofrendo sucessivas modificações alheias à minha vontade. Publico neste livro o texto original. A carta, de quatro páginas, trazia entre as duras acusações a passagem que motivou minha resposta:
“Maria não pode nada. Menos ainda as imagens dela, que vocês adoram. Sua igreja continua idólatra. Já fui católico e, hoje, sou feliz porque só creio em Jesus. Você, com suas canções é o maior propagador da idolatria Mariana. Converta-se enquanto é tempo, senão vai para o inferno com suas canções idólatras…” P. S., São Paulo-SP.

Ele não escreveu pela internet e não se expôs, por isso indico apenas as iniciais. Minha resposta teve o seguinte teor:

S.Paulo, 15 outubro l992
P.S., Cristão mais do que eu…

Sua carta chega a ser cruel. Em quatro páginas você consegue mostrar o que um verdadeiro evangélico não pode ser. Seus irmãos mais instruídos na fé sentiriam vergonha de ler o que você disse em sua carta contra nós, católicos, e contra Maria, a mãe do Cristo que você diz conhecer mais do que eu.
O irônico de tudo isso é que, enquanto você sai por aí, agredindo a mãe de Jesus e diminuindo o papel dela no cristianismo, um número enorme de evangélicos, fala dela, hoje, com maior carinho e começa a compreender a devoção dos católicos por ela.
Você pegou o bonde atrasado e na hora errada, e deve ter ouvido os pastores errados, porque, entre os evangélicos, tanto como entre nós católicos, Maria é vista como a primeira cristã, e a figura mais expressiva da evangelização depois de Jesus. Eles sabem da presença firme e fiel de Maria ao lado do filho divino.

Evangélico hoje, meu caro, é alguém que pautou sua vida pelos evangelhos e, por ser um bom evangélico, não precisa agredir nem os católicos nem a Mãe de Jesus. Você é muito mais antimariano do que cristão ou evangélico. Seu negócio é agredir Maria e os católicos. Nem os bons evangélicos querem gente como você no meio deles.

Quanto ao que você afirma: que nós adoramos Maria, sinto pena de você… Enquanto católico em Santo André, segundo você afirma, já não sabia quase nada de Bíblia por culpa da nossa igreja, agora que virou evangélico parece que sabe menos ainda de Bíblia, de Jesus, de Deus e do reino dos céus. Você regrediu…

Está confundindo culto de veneração com culto de adoração, está caluniando quem tem imagens de Maria em casa, ao acusá-lo de idólatra. Ora, Paulo, há milhões de católicos que usam das imagens e sinais do catolicismo de maneira serena e inteligente. Se você usava errado, teria que aprender.

Ao invés disso foi para outra igreja aprender a decidir quem vai para o céu e quem vai para o inferno. Tornou-se juiz da fé dos outros. Deu um salto gigantesco em seis meses; de católico tornou-se evangélico, pregador de sua igreja e já se coloca como a quarta pessoa da Santíssima Trindade, porque está decidindo quem vai para o céu e quem vai para o inferno. Mais uns dois anos, e talvez dê um golpe de estado no céu e se torne a primeira pessoa da Santíssima Trindade…

Então, talvez, mande Deus avisar quem você vai por no céu e no inferno… Sua carta é pretensiosa. Sugiro que estude mais evangelismo, e em poucos anos, estará escrevendo cartas bem mais fraternas e bem mais serenas do que esta. Desejo de todo o coração que você encontre bons pastores evangélicos. Há muitíssimos homens de Deus nas igrejas evangélicas que ensinarão a você como ser um bom cristão e como respeitar a religião dos outros. Isso, você parece que perdeu quando deixou de ser católico. Era um direito que você tinha: procurar sua paz. Mas parece que não a encontrou ainda, a julgar pela agressividade de suas palavras.

Quanto a Maria, nenhum problema.. Ela é excelente caminho para Jesus. Até porque, quem está perto de Maria, nunca está longe de Jesus. Ela nunca se afastou dele. Tire isso por você mesmo! Se você se deu ao trabalho de me escrever uma carta para me levar a Jesus, e se acha capaz disso, imagine, então, o poder da mãe de Deus que, ao contrario do que talvez lhe ensinem, não está dormindo! Ou você acha que Jesus até agora não conseguiu levar nem mesmo a mãe dele para o céu? O sangue dele tem ou não tem poder? Não cantam isso na sua nova igreja?

De Jesus ela entende mais do que você. Ou, inebriado com a nova fé, você se acha mais capaz do que ela? Se você pode sair por aí escrevendo cartas para aproximar as pessoas de Jesus, Maria pode milhões de vezes mais com sua prece de mãe. Ela já está no céu e você ainda está aqui apontando o dedo contra os outros e decidindo quem vai ou quem não vai para lá.

Grato por sua carta. Mostrou-me porque devo lutar pela compreensão entre as igrejas. É por causa de gente como você.”

Pe Zezinho

domingo, 31 de agosto de 2014

MENSAGEM PARA O “DIA DO CATEQUISTA”

Queridas catequistas!
            Queridos catequistas!

            O Documento 100 da CNBB: "Comunidades de comunidades: uma nova paróquia - a conversão pastoral da paróquia", aposta plenamente na INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ através de uma CATEQUESE COM INSPIRAÇÃO CATECUMENAL. Os números 268 e 269 afirmam com todas as letras: "Para que as comunidades sejam renovadas, devem ser casa de iniciação à vida cristã, onde a catequese há de ser uma prioridade. Nesse sentido, padres, catequistas e a própria comunidade precisam de uma conversão pastoral para rever a catequese de adultos, jovens, adolescentes e crianças".
            Em outras palavras, a Igreja no Brasil coloca toda a sua confiança no trabalho gratuito, abnegado e corajoso dos milhares de catequistas comprometidas e comprometidos em vista de uma “nova paróquia”, e, consequentemente, novas “igrejas particulares” e nova “igreja universal”, elas sendo anúncios da “alegria do evangelho” (Papa Francisco). A revitalização das comunidades cristãs conta com todos nós catequistas! E como pode contar, graças a Deus!
            Por tudo isso, queridas e queridos catequistas espalhadas espalhados por este nosso imenso território brasileiro, a Comissão Episcopal para a Animação Bíblico-catequética da CNBB, por ocasião do “Dia do Catequista”, dentro do Mês Vocacional, quer expressar-lhes os sinceros PARABÉNS e dizer-lhes mais uma vez MUITO OBRIGADO.
            Que Nossa Senhora Aparecida, Mãe da Igreja, Estrela da Evangelização, Catequista Maior, interceda junto a Deus Trindade por cada uma e cada um de vocês, queridas e queridos catequistas.

Dom Jacinto Bergmann,
Arcebispo de Pelotas
e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral

para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

COERENTES COMO JESUS…

Quando Jesus propôs aos discípulos que o “sim” deles fosse “sim” e o “não” fosse “não” propôs uma das virtudes mais difíceis da vida. É que ela engloba muitas outras. O mero fato de alguém se apresentar como pessoa coerente, ou coerente para consigo mesma, já demonstra sua incoerência. Coerência supõe humildade…Está longe de agir como co-herdeiro aquele que caminha junto, mas cortejando os primeiros lugares.
Dentre as muitas que se supõe vividas por um cristão, três virtudes traduzem o caminhar sereno de quem optou por Jesus: adesão (ad-haerens) inserção (in-haerens) coerência ( co-haerens). Herda um caminho e o assume, mergulha fundo no projeto assumido, entende que o projeto é de todos e é também seu. Os católicos repetem a cada missa este chamado: por Cristo,em Cristo, com Cristo; por nele, nele e com ele; vosso reino que também é nosso. As orações da missa trazem implícitas a promessa de coerência. O Pai Nosso ,no “Assim como nós perdoamos”outra vez aponta para a coerência.
Coerência supõe santidade e maturidade, valores que não caem do céu nem acontecem no estalar de alguns dedos. São conquistas lentas. Coerente foi Pedro quando se arrependeu, incoerente foi Judas quando não aceitou o perdão de Jesus e se matou. Não quis seguir como perdoado. Coerente foi Francisco de Assis quando, aos 26 anos, tendo descoberto a pérola que buscava, aderiu, inseriu-se e prosseguiu no caminho da simplicidade e da pobreza solidária. Aos 42 anos sua coerência fora suficientemente testada. Morreu aclamado como santo, e era: não se desviara mais do caminho.
Mostramos nossa incoerência quando juramos e não cumprimos, prometemos e não assumimos, quando vamos embora de companheiros, familiares e igrejas ou grupos, se ir embora se nos afigura mais vantajoso; quando escolhemos a nós mesmos e o nosso projeto porque o outro ficou difícil; quando não levamos em consideração o sentimento dos outros; quando insistimos que tem que ser somente do nosso jeito; quando fugimos da dificuldade; quando erramos, mas damos um jeito de por a culpa nos outros; quando achamos sempre uma desculpa para nossos desvios e nos mostramos inclementes contra os erros dos outros; quando escondemos a enorme farpa no nosso olho e achamos horrível o cisco no olho alheio…
O leitor que me segue experimente ler o Novo Testamento sob esta ótica do “disse e fez, prometeu e cumpriu, jurou e não voltou atrás”. Verá por que razão Jesus desafiou os seus acusadores e mostrar qualquer incoerência nele. Coerência é pilar de santidade! Costuma doer, mas cria solidez!

Pe Zezinho

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

LEMBRA COMO ERA A PEDAGOGIA DE JESUS?



Consegue identificar essa cena do evangelho?

Jesus sempre partia da situação de vida do povo e ajudava as pessoas a encontrar Deus e o seu reino no concreto das suas vidas. Temos inúmeros exemplos nos evangelhos, como a samaritana, o cego de nascença, Zaqueu... Assim Jesus conseguia colocar Deus e a humanidade numa profunda relação.

Essa atitude de Jesus se torna a primeira exigência da catequese, até hoje. Partir da vida, ser fiel ao ser humano e ajudar a descobrir os valores do Reino, o rosto de Deus. Aí está a dupla fidelidade que a catequese é chamada a viver, a Deus e ao ser humano, como nos lembra o documento Catechesi Tradendae. “Em qualquer hipótese, importa que o método escolhido se atenha acima de tudo a uma lei fundamental para toda a vida da Igreja: a lei da fidelidade a Deus e da fidelidade ao homem, numa única atitude de amor”. CT 55

Partindo desse princípio, não somos chamados a olhar essas duas realidades  separadas ou distintas, mas sim como uma única atitude espiritual, que nos leva a falar de Deus sem esquecer o ser humano. A falar de Deus como Jesus, a partir da realidade humana.

É isso que o próprio Deus nos ensina pela encarnação do seu filho Jesus. Para se revelar entra na história como homem, permitindo que o ser humano acolha a revelação na sua própria realidade humana.

E nós, será que estamos sendo fiel a essa dupla fidelidade ou estamos separando a mensagem evangélica da nossa história?

Para continuarmos nessa fidelidade precisamos dar atenção a psicologia dentro da catequese. Por isso, nos próximos artigos estudaremos as fases da vida de cada ser humano, com as suas características e os seus próprios questionamentos, sejam eles existenciais ou de fé. Assim estaremos ajudando as crianças, jovens e adultos a descobrir a sua sede de Deus e trilhar o seu caminho humano - espiritual, na certeza de que Deus sempre faz história conosco e permite que façamos história com Ele.

Fico feliz de partilhar um pouco dos meus conhecimentos com vocês, ao mesmo tempo desejo que interajam comigo, fazendo as suas perguntas, dando sugestões, partilhando experiências. Assim estaremos aprendendo juntos a dinâmica da vida e da catequese.


                                                           Irmã Sandra




A Irmã Sandra da Conceição Santos é da Congregação Irmãs de Santa Maria de Namur – ISM e é coordenadora diocesana de catequese em Estância-SE. Ela é Graduada em Letras-Português; Pós-graduada em Psicologia da Infância e em Libras. Curso de Extensão em Teologia; Escola de Formadores; Curso de Acompanhamento Espiritual, Ela participa da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe em Estância-SE.